gallery/wanderson

Ontem, dia 25 de maio de 2018, a Comissão Eleitoral da Associação dos Aposentados e Pensionistas da Vale (APECOVALE), realizou uma assembleia a fim de conduzir a eleição, após sete de arbitrariedade provocada pelo Sr. Antônio Victor Ramalho, que se mantem no comando da associação de forma ilegítima. Desde que foi fundada em 17/04/2002, foram três eleições. O presidente da Comissão Wanderson Rosa da Costa, que  supostamente é ligado ao Sr. Antônio Victor Ramalho presidente da APECOVALE, tentou manipular o processo eleitoral de forma autoritária e truculenta. Apesar das várias tentativas de diálogo dos outros membros da Comissão, Wanderson quis conduzir o processo sozinho sem se reunir ou mesmo ouvir os envolvidos na disputa eleitoral. Essa lamentável conduta gerou um tumulto entre os associados e acusações de apropriação indevida pelo Victor, dos recursos dos aposentados. Para viabilizar o processo eleitoral, os membros da Comissão chegaram a cogitar a possibilidade de uma votação a fim de decidir a permanência ou não de Wanderson na presidência da Comissão. Inflamado o então Presidente da Comissão, Sr. Wanderson renunciou ao cargo, se abdicando daquela responsabilidade. Ao se retirar da Plenária levou consigo todos os documentos, assinaturas e atas. Em solidariedade, provavelmente orientados pelo atual presidente Victor, os membros da Chapa 01 também se retiraram do ressinto. Por fim, após Wanderson renunciar  e se retirar da Plenária, os membros da Comissão Eleitoral escolheram um terceiro membro, entre os cinco não associados que se candidataram.

A Comissão Eleitoral escolheu o Advogado Antônio Carlos, para presidir os trabalhos e cuidar da documentação. Os membros que permaneceram até o final da Assembleia colocaram a prestação de contas na pauta, alegando que não sabem o paradeiro da quantia retirada de suas aposentadorias ao longo dos anos, uma vez que em doze anos nunca houve prestação de contas. As suspeitas deram lugar a graves acusações que só podem ser resolvidas pela polícia e justiça. Os ânimos estavam tão animados, que foi preciso a presença da Polícia Militar para conter possível violência e garantir a integridade física dos participantes, todos idosos. Após essa segunda tentativa de conduzir o processo eleitoral, as partes estão tentando um diálogo a fim de realizar outra assembleia e concluir a eleição da nova Diretoria e Conselho Fiscal. A Chapa Dois, de oposição ao Sr. Victor exige a prestação de contas e o paradeiro dos recursos supostamente subtraídos da APECOVALE.

Lembrando ainda que o Sr. Wanderson ao abandonar o recinto disse que a eleição seria prejudicada, pois a eleição depende da Ata da Primeira convocação, que propositalmente não seria registrada em cartório, prejudicando severamente o processo eleitoral. Diante disso um associado presente, propôs que fosse aprovada a reforma do estatuto proposto na assembleia anterior e que tornasse desnecessário o registro em cartório da Assembleia sob o comando do senhor Wanderson

O presidente da APECOVALE não compareceu ao evento e não o atende celular. A sede da associação está com as taxas de condomínio atrasadas, sujeita a execução judicial. Apenas tem acesso à sede da Associação os membros da Chapa 1, e as chaves estão em poder de Victor. As partes não chegaram a um acordo e provavelmente vão recorrer à justiça, uma vez que o diálogo está cada vez mais difícil.

 

Ao fundo vemos o momento em que o Sr. Wanderson renuncia ao cargo de presidente da Comissão Eleitoral e abandona a assembleia, levando consigo os  documentos e os membros da Chapa 01.

Pela segunda vez consecutiva, não foi possível realizar eleição, de uma nova Diretoria na Associação dos Pensionistas e Aposentados da Vale (APECOVALE). Em sete anos o antigo presidente Antônio Victor Ramalho comanda essa associação, de forma arbitrária sem prestar contas. Desde que foi fundada em 17/04/2002, os membros da antiga diretoria permanecem no controle da APECOVALE e não permitem eleições. As suspeitas de possíveis desvios dos recursos da entidade aumentaram com a carência total de transparência. 

polícia militar foi convocada na tumultuada assembleia dos aposentados da vale